Notícias

37° Congresso do ANDES-SN expressa mobilização docente e aponta desafios para 2018



 A Plenária de encerramento aconteceu já na madrugada de domingo (28), com a aprovação mais de 30 moções e a leitura da Carta de Salvador.

O evento foi realizado de 22 a 27 de janeiro, na Universidade do Estado da Bahia (UNEB), em Salvador. Organizado pela ADUNEB, em parceria com o ANDES-SN, o evento foi considerado o maior da história do Sindicato Nacional. A atividade contou com a presença de 581 participantes, sendo 413 delegados, 122 observadores, de 82 seções sindicais, 10 convidados e 36 diretores.

Em sua fala de encerramento, Eblin Farage, presidente do ANDES-SN, ressaltou que 2017 foi um ano com muitas lutas, tanto no conjunto da classe trabalhadora, quanto internas no sindicato. “Esse Congresso, na nossa avaliação, é fruto de um ano intenso de mobilização. Há muito esse sindicato não tinha a presença de mais de 80 seções sindicais em um congresso nacional. Isso, certamente, é expressão da mobilização, do trabalho que esse sindicato desenvolveu em 2017”, afirmou.
 
Eblin ressaltou que a grande tarefa para 2018 é retomar o patamar de mobilização do primeiro semestre de 2017, articulando, a partir das bases, pressionando as centrais sindicais, com o desafio de construir uma verdadeira unidade de ação nas ruas, para combater as contrarreformas. “Temos o desafio, já para fevereiro, de barrar a contrarreforma da Previdência e, para isso, é necessário que construamos, nas nossas bases, a greve geral, a mobilização da nossa categoria. Que as nossas universidades parem para dizer não à contrarreforma da Previdência”, conclamou.
 
“Certamente, esse é um ano em que o ANDES-SN vai ser desafiado a dizer qual projeto de educação ele quer continuar a construir. Por isso, todos os nossos docentes estão convocados a reafirmar um sindicato que é classista, que é de luta, e que é autônomo. Que tenhamos um ótimo 2018, com muitas lutas”, completou, declarando encerrado o 37º Congresso do ANDES-SN.
 
Representante da coordenação da ADUNEB na mesa de encerramento, a professora aposentada e ainda militante do Movimento Docente, Zózina Almeida, logo após o encerramento, comentou sobre os seis dias de atividades. “A ADUNEB se sente orgulhosa em ter organizado, junto com o ANDES-SN, e recebido aqui em Salvador o 37º Congresso. Não medimos esforços para receber da melhor maneira possível professoras e professores de todo o país. Saímos revigorados e com a tarefa de multiplicar em nossas universidades, em nossa categoria, todas as ações, estratégias e planos de luta deliberados pelas plenárias. Uma importante página da história do Movimento Docente aqui foi escrita, neste que foi considerado o maior Congresso já realizado pelo Sindicato Nacional. Seguiremos fortes, em defesa da educação pública superior, da nossa categoria e da classe trabalhadora”, encerrou a professora, já quase ao amanhecer do domingo. 
 
Fala de encerramento da coordenadora da ADUNEB, Zózina Almeida
 
 
Texto: ANDES-SN com complementos ADUNEB