Notícias

Mais de 40 mil ocupam as ruas de Salvador contra a reforma da Previdência



 No Dia Nacional de Mobilização – 15 de março, Salvador parou para gritar não à contrarreforma da Previdência. Assim como aconteceu em todas as capitais e inúmeras outras cidades, milhares de manifestantes ocuparam as ruas e avenidas em defesa dos direitos trabalhistas e sociais. O Movimento Docente da ADUNEB participou ativamente dos protestos, que foi construído em unidade de luta entre a CSP-Conlutas e demais centrais sindicais. O Dia de Mobilização também recebeu o apoio e participação do ANDES-SN.

Em Salvador, no período da manhã, centenas de manifestantes estiveram na região do Iguatemi, centro econômico da cidade. Vários professores do Movimento Docente, diretores da ADUNEB, estudantes e técnico-administrativos, somaram forças ao demais manifestantes e realizaram ato público, com o trancamento de avenidas por mais de três horas.
 
Centenas de manifestantes no Iguatemi
 
Já no período da tarde, aproximadamente 40 mil pessoas, entre professores e estudantes universitários, dos ensinos médio e básico, de instituições públicas e privadas, organizações políticas, sindicais e movimentos populares e sociais, realizavam passeata, que foi do Campo Grande à Praça Castro Alves. A mobilização recebeu amplo apoio da população que, além de aplaudir fazia questão de ler os panfletos e tirar dúvidas sobre o ataque à Previdência e a retirada de direitos.
 
Pelo interior, a comunidade acadêmica de vários campi da Uneb também realizaram protestos e mobilizações, a exemplo de panfletagens, passeatas, debates e atos públicos. 
                                                                                                                                                             Foto: Jeremias Silva
Quarenta mil ocuparam as ruas do centro de Salvador
 
As manifestações que tomaram conta do país mostraram a força dos estudantes e da classe trabalhadora que, em unidade de luta, demonstram profunda indignação com as políticas econômicas, trabalhistas e sociais do governo Temer. De acordo com a diretoria da ADUNEB, a cada paralisação é nítido o maior número de pessoas nas ruas. A população se mostra preocupada com a questão da aposentadoria, tem procurado debater, adquirir informação e participar dos protestos. A cada dia a construção da Greve Geral se fortalece. Somente a união de todos os trabalhadores poderá barrar a política neoliberal do governo do PMDB.
 
Veja aqui fotos dos protestos da capital da Bahia.