Nossa História

Memória do Movimento Docente

 



“Não serei o poeta de um mundo caduco.  Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olhos meus companheiros. Estão taciturnos, mas nutrem grandes esperanças.
Entre eles, considero a enorme realidade. O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.”


Carlos Drummond de Andrade

Em dezembro de 2016, a ADUNEB completará 35 anos. Em homenagem à história de luta da Seção Sindical do ANDES – SN, a gestão “Autonomia, Democracia e Luta” (2007-2009) decidiu organizar a memória do movimento docente da ADUNEB em uma série de entrevistas com aqueles que ajudaram a construir essa história. Muitos foram os docentes que fizeram parte da história da ADUNEB ao longo desses anos. Fazemos aqui, através desses relatos, uma homenagem a todos aqueles que construíram a trajetória de uma entidade que nasceu para lutar!

 

 

Nossa História

Antes de ser criada a UNEB, havia a Superintendência do Ensino Superior da Bahia - SESEB, que coordenava a administração de cursos superiores ministrados em Salvador e em alguns municípios do interior do Estado. Os professores das unidades da SESEB, cientes da necessidade de se organizarem, resolveram fundar uma entidade que pudesse congregá-los e ser a porta-voz das reivindicações da categoria junto ao Governo do Estado.

Em 17 de dezembro de 1981, ocorreu a assembléia geral de fundação e aprovação do Estatuto da Associação dos Docentes da SESEB - ADOS, embrião do sindicato que existe hoje. Estiveram presentes, naquela ocasião, vinte e dois professores (doze da Unidade de Alagoinhas, seis da de Jacobina e quatro do extinto CETEBA de Salvador).

A Lei Delegada 66/83 de primeiro de junho de 1983 criou a Universidade do Estado da Bahia, multicampi, reunindo não só os cursos vinculados ao CETEBA, ministrados em Salvador e em outros municípios, mas também algumas faculdades já consolidadas no interior, a exemplo da Faculdade de Agronomia de Juazeiro e da Faculdade de Formação de Professores de Alagoinhas. A UNEB, em pouco tempo, espalhou-se por todas as regiões do Estado e junto com ela foi também a nova organização dos docentes que sucedeu a ADOS. Com efeito, com o surgimento da UNEB, surgiu também uma nova entidade, a ADUNEB.

A história da ADUNEB está relacionada à da ANDES - Associação dos Docentes do Ensino Superior, criada, em 19 de fevereiro de 1981, com o objetivo de reunir, em âmbito nacional, os professores do ensino superior. A ADUNEB filiou-se a ANDES em 1986 passando a participar dos congressos e eventos promovidos por essa entidade, espaços, nos quais, se discutem os grandes temas nacionais, principalmente, aqueles pertinentes à educação brasileira, às Instituições de Ensino Superior e à carreira docente.

Em 26 de novembro de 1988, a ANDES transformou-se em Sindicato Nacional, o que constitui um fato marcante para o movimento docente nacional. Para adequar-se a essa nova situação, a ADUNEB, em 1991, teve seu Estatuto transformado em Regimento, aprovado no X Congresso Nacional da ANDES, passando a ser Seção Sindical do ANDES - Sindicato Nacional. O Regimento instituiu ainda uma nova organização administrativa para a ADUNEB, criando a Diretoria Colegiada, regime sob o qual funciona até hoje. Data de 22 de novembro de 1988 a assembléia geral de professores que aprovou a filiação da ADUNEB à Central Única dos Trabalhadores - CUT.

No 24o Congresso do ANDES, em 2005, o movimento docente decidiu pela desfiliação à CUT após um extenso e amplo debate. Os desvios em relação ao curso original da central ao longo dos últimos anos e a perda de sua independência a partir da eleição do atual governo vêm sendo impostos pela direção majoritária em condições não-democráticas que acabam por ser mais fortes que a resistência do conjunto dos segmentos que, no interior dela, ainda buscam a defesa de sua autonomia e a recuperação de sua combatividade.

No empenho pela construção de um pólo de luta autônomo, classista e combativo e que caminhasse no sentido da unidade entre trabalhadores do campo e da cidade, do setor público e do privado, bem como de formalizados e precarizados,o ANDES, no seu 26º Congresso, se filou à CONLUTAS, entidade que reúne o movimento sindical, popular e da juventude.

A ADUNEB tem participado dos fóruns da CONLUTAS nacionalmente e se engajado na construção da CONLUTAS – BA.

A ADUNEB completou 25 anos de existência em dezembro de 2008 e, como todo movimento sindical brasileiro, conheceu períodos de maior ou menor mobilização, oscilando, conforme as demandas da própria categoria, mas sempre teve uma posição de luta por uma Universidade Pública, democrática, gratuita e de qualidade, sem contudo abandonar a defesa de melhores salários e condições de trabalho, bem como de uma política de qualificação para os docentes, sem o que a qualidade do ensino superior estará comprometida.

O I CONGRESSO deliberou ainda que o sindicato deve continuar, ao longo de 2005, empenhando-se na construção de um pólo de resistência sindical às reformas do governo Lula, na defesa do movimento sindical, autônomo, classista e combativo e que caminhe no sentido da unidade entre trabalhadores do campo e da cidade, do setor público e do privado, bem como de formalizados e precarizados. Para isso, deverá intensificar, em conjunto com suas seções sindicais, sua participação em fóruns como a CONLUTAS, os estaduais de luta, os de defesa dos serviços públicos, aliados aos movimentos sociais.

Diretoria

Diretoria Executiva Colegiada - gestão 2014 / 2016

 

 

Diretoria de Organização e Administração
Milton Pinheiro

Diretoria Financeira
Everton Nery Carneiro

Diretoria de Assuntos Jurídicos e Institucionais
Caroline de Araújo Lima

Diretoria de Comunicação, Imprensa e Eventos
Zózina Maria Rocha de Almeida

Diretoria de Formação Político-Sindical e Relações Intersindicais
Anderson Carvalho dos Santos

Diretoria de Sub-Secções Departamentais
Vamberto Ferreira Miranda Filho

Diretoria de Gênero, Etnia e Diversidade
Ediane Lopes de Santada